01 março 2013

ELES MERECEM ESSES NOMES?

-->
Houve época em que era raro um jogador de futebol ser chamado pelo nome verdadeiro. O talento surgia no amadorismo sem grana e a graça se escancarava no apelido. Nem os melhores escaparam. Além de Pelé e Garrincha, muitos outros apelidos engraçados foram famosos. Biro-Biro, Cafu, Carabina, Chulapa, Fio, Tostão... E nos tempos mais recentes temos apelidos ou nomes como Animal, Cavalo (ex-treinador do Avaí), Dentinho, Dinamite, Ganso, Leo Gago, Loco Abreu, Negueba, Obina, Tinga, Vampeta, Viola e outros mais bizarros do que famosos, como Mão de Onça, Paulada, Picareta e Minhoca. 

De velhas gerações do nosso Linense, havia Frangão e Sexta-Feira.  Hoje tem o  Tarracha. Muca e Pintado lá atuaram como treinadores. No futebol amador, tinha um sorridente bandeirinha chamado Pé de Cana. 

Depois de muitos apelidos e tantos exageros, agora parece se impor o desejo de que se declare tudo isso eticamente incorreto. Então tá. Chega de simplificações grotescas. Também basta de Carlos, Luiz, Paulo e outros nomes comuns. Vamos valorizar nomes mais rebuscados: Brinner, Demerson, Elkeson, Gerley, Jheimy, Lorran, Luan, Maicossuel, Richarlyson, Rithely, Saimon, Uêndel, Wallyson, Welder, Werley, Wescley, Weverton e outros, que Ruy Castro alinhou caprichosamente em uma ótima crônica sobre nomes das novas gerações.

Mas, como sempre, é com os estrangeiros que a gente mais se diverte. Para citar apenas alguns:

Coku, ex-craque da Holanda.
Grosso, lateral esquerdo da Juventus.
Merda, goleiro polonês, joga no Cracóvia.
Manco, atacante peruano do Al Wakrah.
Tó Mané, atacante do Vitória de Guimarães.
Vaca, meio campista do Oriente Petrolero.
Marica, atacante romeno do Stuttgart.
Porras, ex-goleiro da seleção da Costa Rica.
Shota, técnico e ex-atacante da Geórgia. 
Veronica Boquete, meio-campista da seleção espanhola.
Milton Caraglio, atacante argentino do Rosario Central.
Ana Buceta, meio-campista da seleção espanhola feminina. 

Por último, tem aqueles nomes que lembram sopa de letrinhas. Imagine-se no lugar do narrador de rádio ou TV e sinta o drama que é deparar-se com a escalação em cima da hora, com nomes como esses:

Mladen Krstajic, defensor do Partizan-SER.
Wojciech Szczesny, goleiro polonês do Arsenal.
Serhiy Pshenychnykh, defensor do Metalist Kharkiv-UCR.
Jakub Blaszczykowski, meio-campista do Borussia Dortmund.

  (Escrito por Ricardo Zani)

Nenhum comentário: