POESIA & MELODIA (selecionadas pelo editor)

03 agosto 2014

DIÁRIO DE BORDO

Em maio/2014, os amigos Wellington, Regimar, Galvão, Pedro e Nilson realizaram outa trip de motocicleta, esta pela Bahia e Minas Gerais, partindo de Brasília. Aqui, Wellington Figueiredo narra lances marcantes dessa viagem inesquecível.



Ah, que desejo de permanecer mais um tempo sobre os altos da Chapada Diamantina de onde os olhos amiúdam para aproximar os longínquos campos de cujo chão nascem outras, mais outras e seguidas montanhas tortuosas.
Ao observar as dobras sobre dobras de tantas montanhas a se estenderem até aonde a vista esbarra em cores e formas inebriantes, sentimo-nos super-homem nietzschiano. 
Do alto da serra a alma é confrontada com os desejos alcançados e levianamente instiga novas aventuras.
Sobre as motocicletas, olhando para tantos passados vividos e agora a perseguir um futuro a ser ludicamente tramado, encontramos cúmplices nas almas livres dos companheiros de aventura.
Depois que as montanhas ficaram às costas, nossas motos curvam-se sobre a tortuosidade das estradas e enfileiram-se sobre os retões que nos levam aos mares da Bahia.
 Insanos devaneios que borbulham sob o vento rompido! O zuar das motos dá olhos às montanhas, sacode o adormecido sertão baiano e desperta desejos naqueles que nos assistem passar!
É sobre as motos que percorremos serenos e saudosos o passado, e impávidos tecemos desejos de futuro. É sobre nossas motos que nos acompanheiramos, mesmo separados alguns metros uns dos outros.
Nossas motos deslizam sobre o asfalto e se perseguem em fila indiana, curvam e descurvam, ora para a direita, ora para a esquerda.
De Correntina, a lembrança de Pedrão fazendo-se passar por artista da Globo, a distribuir autógrafos até se aventurar a chutar a bola que o levou ao chão! De Itacaré, a recordação de um mar calmo, acolhedor e disposto a nos sustentar no balanço das ondas se mescla à efervescência de turistas de língua espanhola e inglesa. De Canavieiras, o mar e a praia que nos pertenciam! Lá persistem os casarões de uma época da qual já ouvimos falar. Em Canavieiras, o Galvão inscreve seu nome na blusa da alemã, que não pronuncia uma palavra em português, mas que se faz entender pelo olhar, pelas mãos, pelo sorriso; o Nilson absorto nas ondas mansinhas que desbeiçam sobre a areia, talvez lhe trazendo as lembranças e a vontade de compartilhamento com tua mulher e com tuas filhas; o Regimar (quem sabe  acompanhado pelas lembranças do seu curumim, João Mauro?!)  percorre a areia fina sempre delimitada pelos altos coqueiros e pelas borbulhas do mar sobre a praia.
 Ah, as estradas! Elas reclamam por atenções. E as pessoas com quem cruzamos se espantam ao saberem que viemos de Brasília.
Infelizmente, a exuberância do céu, das serras da Bahia, das praias e do oceano contrasta com o infortúnio de muitos baianos que ainda vivem à margem das conquistas socioeconômicas deste Brasil.
Fica a esperança de voltarmos um dia, para vermos corrigida essa desigualdade...
Wellington

20/05/2014 

Da esq. para direita: Pedro, Nilson, Regimar e Wellington.

Pedro, Wellington, Galvão e Regimar.

19 julho 2014

LUTO NAS LETRAS

Na mesma semana, o Brasil perde dois grandes escritores. Vale a pena recordar alguns momentos de Rubem Alves (filósofo, teólogo, psicanalista, educador, escritor) e João Ubaldo Ribeiro (escritor, jornalista, roteirista, professor e membro da Academia Brasileira de Letras).
.   .
.