06 maio 2016

WHATSAPP: BLOQUEIO FOI PREVISTO EM ANTIGAS PROFECIAS


Todos sabem que a decisão judicial que bloqueou o WhatsApp em maio tem relação com outra medida, já adotada em dezembro, quando um juiz de Lagarto - SE solicitou o bloqueio temporário do WhatsApp em todo o país, porque os donos do aplicativo deixaram de fornecer informações para uma investigação criminal.

Mas o que ninguém sabia é que ambas têm relação com profecias que datam do início era cristã. Dizem as escrituras que, disposto a eliminar pela raiz o receio de que um novo rei surgisse em territórios sob seu domínio, Herodes procurou saber quem era e onde estava a anônima criança que viera ao mundo profetizada como messias.

Mas, como suas buscas foram infrutíferas, quis o rei que o peso do poder compensasse o fracasso das buscas. Então, segundo versão não escrita nem conhecida, ordenou que os sacerdotes e centuriões encontrassem algum jeito, qualquer que fosse, de deter o futuro messias.

Dias depois, um dos sacerdotes o procurou para confidenciar-lhe um sonho ou visão – não se sabe ao certo – que poderia apontar uma solução. Explicou que um anjo se manifestou nessa visão, mas veio das sombras e abismos, não da luz. 
    
Materialista, afoito e prepotente, Herodes queria saber da solução, não da sua origem, nem tampouco se esse anjo tocava banjo, harpa, cuíca ou pandeiro. Eis então que o sacerdote lhe reproduz a mensagem trazida pelo anjo torto:

“Majestade, adoteis o critério infalível de legisladores e doutores dos séculos futuros, que advirão nos tormentos finais, no último reino da decadência. Viverão em florestas verdes sob impérios negros, em vermelhas brasas de pau brasil, alhures e além-mar. Extremistas serão os métodos, mas simples e fácil será a execução. Pois que, incapazes de reconhecer malfeitores na multidão, por malfeitores tomarão a todos e ao povo em geral. Ungidos no ópio da desordem ética, aos condenados renderão plenas honras e aos retos e honrados, mão de ferro e desprezo. Impotentes para desarmar os maus, desarmarão os bons. Fracos para apartar os alucinados das rédeas em urbes e vias, das rédeas e lemes apartarão até aqueles que bendito cálice sorverem à mesa abençoada.”

Não consta que Herodes tenha abstraído todo o sentido da profecia, mas seu instinto malévolo prontamente absorveu o lado cruel da mensagem. Ordenou, então, que todas as crianças, abaixo de dois anos, fossem sumariamente eliminadas. 

Não cabe supor nem insinuar que a decisão de Lagarto tenha-se inspirado em Herodes ou que exista analogia no núcleo dos enredos. Na Palestina, havia um inocente na mira do rei, aqui há suspeitos na mira da Justiça. Mas cabe admitir a indagação: Herodes se inspirou no critério de Lagarto?
           
Pelo que se infere de tal critério, se os agentes do crime se comunicassem entre si por pombo-correio e a investigação fosse incapaz de identificar qual pombo é o mensageiro, então seria o caso de decidir pelo extermínio dos pombos?

Na mesma linha de raciocínio, caso a comunicação fosse por sinais de fumaça, então todo fogo haveria de ser proibido? Sim, mas caberia ressalva. No teor da ordem judicial, o fogo do inferno estaria liberado.

No inciso primeiro da ressalva, viria a explicação “Todo fogo do inferno fica liberado, pois não cabe a este tribunal contrariar a natureza e as práticas de instâncias mais avançadas.”

Escrito por: Ricardo Zani
Gênero: Ficção


03 abril 2016

POR TRÁS DO SAMBA-CANÇÃO

Ruy Castro investiga as origens e  o auge do samba-canção em novo livro

"A Noite do Meu Bem" reúne histórias do gênero musical mais ouvido no Brasil dos anos 1940 e 1950

Créditos: ZH (Zero Hora) - Alexandre Lucchese 

Ruy Castro investiga as origens e o auge do samba-canção em novo livro Companhia das Letras / Chico Cerchiaro / Divulgação/Divulgação
Trajes elegantes, carros importados e doses de uísque, ou melhor, "scotch" a preços astronômicos. Assim era a vistosa noite carioca da década de 1940, onde os grã-finos da época podiam ir de boate em boate com um copo na mão até os primeiros raios de sol fulminá-los – alguns destes senhores, ministros e assessores da presidência, davam um trato no visual em barbearias convenientemente instaladas no subsolo das casas noturnas e iam direto para reuniões e outros compromissos matutinos.
Foi nesse meio frequentado pelas elites do país que surgiu um dos gêneros musicais mais populares da época, o samba-canção. Capazes de desbancar quaisquer atrações internacionais nas rádios e lojas de discos, nomes comoDolores DuranMaysaNora Ney,Dick Farney e Miltinho foram algumas das vozes que divulgaram essa mistura de ritmo brasileiro com a suavidade e a poesia da canção. A história desses e muitos outros personagens é resgatada agora no livro A Noite do Meu Bem, no qual seu autor, Ruy Castro, leva o leitor pela mão em um passeio inebriante por duas décadas de boemia carioca. 
Apesar de ter títulos sofridos como Ninguém me Ama (Antonio Maria-Fernando Lobo), Fracasso (Mario Lago) e Até o Amargo Fim (Newton Teixeira e David Nasser), o samba-canção nasceu em um ambiente badalado e, para Ruy Castro, espelha também essa euforia: "É a música a que duas pessoas apaixonadas sempre poderão recorrer quando sentirem o seu amor em perigo", escreve. O início do livro recupera a história da boemia carioca a partir do fim decretado dos cassinos, que abriu caminho para o florescimento das boates, espaços em que homens só entravam de terno e gravata, e mulheres, acompanhadas. Foi nos palcos intimistas desses espaços que o samba perdeu força no ritmo para ganhar mais delicadeza nas melodias e dramaticidade nas letras. 
A narrativa sobre o abre-e-fecha de estabelecimentos, bem como os erros e acertos de empresários, garçons e maîtres que permitiram o êxito ou o fim das casas, só não é enfadonha por conta da prosa elegante e sutilmente bem-humorada de Ruy Castro. O autor relaciona as mudanças físicas da então capital federal com as transformações do poder, constituindo uma rica (e divertida) aula de história. 
Para ler e ouvir 
Depois da primeira centena de páginas, A Noite do Meu Bem se centra na produção musical, contando desde bastidores de composições até detalhes da vida de ídolos da época. A rivalidade musical entre Dalva de Oliveira e Herivelto Martins, que desfizeram um casamento repleto de violência doméstica, mas seguiram discutindo no rádio por meio das letras de suas canções, é apenas um dos vigorosos resgates do livro, que reconstitui o passado atribulado de nomes como Nora Ney e Doris Monteiro. 
O livro se entende até o início dos anos 1960, quando, entre outras circunstâncias, o Rio deixa de ser a capital do país, e o samba-canção começa a dar as bases para a música que nascia na cidade, a bossa nova. 
Ao final, estão 80 páginas com bibliografia, discos e filmes recomendados, além de uma "cançãografia" com mais de 500 faixas indicadas _ quase todas acessíveis na internet. São ferramentas para o leitor fazer uma imersão mais profunda em noites que tinham um permanente ar de sedução e a música era a maior de todas as vedetes. Difícil será voltar do mergulho e ligar o rádio outra vez. 
Algumas histórias do livro:

Noel Rosa foi resgatado em repertório de Aracy de AlmeidaFoto: Reprodução / Ver Descrição
A volta de Noel Rosa – Onze anos depois de sua morte, Noel Rosa (acima) já estava esquecido no Rio: havia desaparecido das rádios e das lojas de discos. Foi Aracy de Almeida quem fez o nome do poeta da vila voltar à tona, quando convidada a se apresentar na boate mais prestigiada da cidade, o Vogue, em 1948. O repertório da cantora era centrado na obra de Noel, e a interpretação, acompanhada do pianista americano Claude Austin, fez toda a plateia perceber "que todos aqueles grandes sambas de Noel eram¿ sambas-canção", escreve Ruy Castro. As apresentações motivaram o resgate fonográfico do compositor: "O Vogue fez surgir um novo Noel, maior até do que em vida, e para sempre", sentencia o livro.

Aracy de Almeida fez sucesso no VogueFoto: Arquivo Hermínio Bello de Carvalho / Divulgação
Araca em Copa – A ideia do Vogue contratar Aracy de Almeida (abaixo) não fazia sentido para muita gente. A refinada boate de Copacabana parecia a antítese dos lugares que Araca costumava frequentar, como os bares da Lapa e de outros redutos de malandros, navalhas e palavrões da cidade. Para Ruy, foi provavelmente a insistência de alguns playboys admiradores da cantora que convenceram a direção da boate de que, apesar de parecer grossa, Aracy tinha um lado "fino" _ lia Augusto dos Anjos, ouvia jazz e Beethoven e "seus cachorros comiam filé e dormiam em edredom". A plateia logo se apaixonou pela cantora: mesmo quando bradava para o público, às 4h da madrugada, "cansei de cantar. Vão tomar no cu!", recebia aplausos gerais.

Dalva de Oliveira, na capa da Revista do RádioFoto: Fundação Biblioteca Nacional / Reprodução
Dalva X Herivelto – Quando casados, Dalva de Oliveira e Herivelto Martins eram inimigos íntimos. A cantora (ao lado) chegou a perder um bebê por conta dos socos e pontapés recebidos do marido ao contar sobre a gravidez. Já em outra ocasião, Herivelto (abaixo) teve a cabeça aberta por um cinzeiro arremessado pela mulher. Depois de separada, a cantora começou a triunfar no rádio, e a animosidade entre ambos cresceu. Tanto os sucessos cantados por ela, como Que Será e Errei, Sim, quanto os compostos por ele (Caminho Certo e Perdoar), continham provocações, que ganhavam repercussão na imprensa. O jornalista David Nasser chegou a criar para Herivelto uma série de textos no vespertino Diário da Noite, com artigos intitulados Dalva, rainha do despudor e (Dalva) Não é mãe; teve filhos, entre outros, mas não foi capaz de abalar o amor do público pela cantora. 

O compositor Lupicinio Rodrigues ficou conhecido pela voz de Francisco AlvesFoto: Coleção José Ramos Tinhorão / Acervo Instituto Moreira Salles
Lupi - O livro explica que a história de Nervos de Aço, supostamente escrita depois que Lupicínio Rodrigues (acima) fora abandonado por sua noiva, ajudou a criar a lenda, estimulada pelo próprio compositor, de que todas as canções do gaúcho refletiam histórias por ele vividas. Ruy lamenta: "Não era verdade, e só servia para reduzir Lupicínio a uma espécie de cronista da cornitude, quando o que importava era o seu poder, quase insuperável, de penetrar no coração masculino". A Noite do Meu Bem também conta por que, nos anos 1940, o nome de Lupi era geralmente associado ao do cantor Francisco Alves, que popularizou canções como Esses Moços e Cadeira Vazia (esta, em parceria com Alcides Gonçalves), e de como foi importante quebrar esse aparente monopólio.

06 março 2016

COMO SE COMPORTAR EM GRUPOS DE WHATSAPP

Se você está lendo este post, provavelmente você está em um grupo no WhatsApp (amigos, família, meninas, meninos, comunidade do bairro, estagiários, colegas de escritório, etc).

Quem quer que você seja, no grupo tem que seguir certos protocolos.


Claro, existem regras onde quer que se vá! Então, por que não em um grupo WhatsApp?




Aqui estão algumas regras importantes que cada um deve seguir em um grupo WhatsApp:

1. Entenda a finalidade do grupo


Esta é regra numero 1. Um dos maiores problemas dos grupos do WhatsApp são os assuntos fora do foco ou questões mesquinhas. Um grupo é algo que você deve valorizar, compreender para que foi criado, procurar contribuir, agregar e enriquecer. Ninguém deve entrar em um grupo para desunir, envenenar ou subverter seus propósitos. O grupo não é um campo de batalha onde você pode pegar  uma pistola e atirar no outro! Se você quer discutir com alguém, vá para a conversa privada, identifique-se e apresente suas opiniões.


2. Evite conversar com uma única pessoa


Você sabe o significado de um grupo? Um "grupo" é uma coleção de indivíduos que interagem uns com os outros em uma base regular e partilham os seus pensamentos. Você poderia muito bem mudar para um bate-papo particular se você quiser ter uma conversa com uma pessoa em particular. Você deve interagir com todos os seus amigos em um grupo e tratá-los de forma igual.  Outros membros podem evitar participar do grupo ou até sair, quando vão verificar seus celulares e encontrarem suas mensagens sem sentido para uma única pessoa em um grupo!

A propósito, um lembrete: se o seu nome não aparece no seu perfil do WhatsApp, quando você postar uma mensagem no grupo provavelmente muitos não saberão quem está postando. Apenas irão ver o número do seu celular no início da mensagem. Nesse caso, lembre-se de se identificar na postagem. 

3. Nunca leve para o grupo tópicos que possam ferir os pensamentos políticos, religiosos ou culturais das pessoas


Este é um NÃO definitivo! Seu grupo é formado por pessoas de diferentes crenças, ideologias e culturas. Pode haver um hindu, cristão, budista, um espírita ou mesmo um muçulmano. E, claro, haverá amigos vindos de Norte, Sul, Leste e Oeste. Por que não recebê-los com um coração aberto em vez de esfaqueá-los com um post religioso, comentário ou mensagem ideológica? Embora possam parecer impotentes (eles podem não fazer nada em relação a você e sua postagem), você certamente irá cultivar inimizades que podem durar toda a vida!


4. Não tire sarro de alguém

Sim, tirar sarro ou praticar assédio moral contra alguém em um grupo é a maneira mais terrível de 

irritá-lo! Você sabe mesmo como a outra pessoa pode se sentir? Ele estará sendo escravizado à vergonha onipresente e nunca mais aparecer no grupo, se você for provocá-lo sempre. Há um limite para tudo e você deve respeitar isso.

5. Não faça comentários desnecessários ou provocativos


Quando você participa de um grupo com objetivos específicos, precisa compreender que lá provavelmente não é lugar para propagar a desagregação, promover seu Ego, atacar um desafeto, badalar uma celebridade, pregar doutrinas, repassar correntes e spams ou fazer piadas. Se essa é sua intenção, procure o lugar onde isso seja aceito. Ou aceite as advertências e medidas administrativas que a administração do grupo adotar. 

6. Não poste spams, como correntes e reenvio de mensagens


"Por favor, repasse essa mensagem imediatamente!!! Esse bebê tem sangue AB e precisa de doações .... "(que provavelmente já recebeu esse sangue em 2009), "O WhatsApp será desligado 23:30-6h00 se você não repassar essa mensagem......o logotipo WhatsApp vai mudar de cor ". Você pode ter visto estas mensagens quando passou a usar o WhatsApp. O problema que você tem repassado, mesmo depois de aderir a um grupo. Estas correntes e encaminhamentos de mensagens são destinados a nada. Eles são hoax, não tem utilidade nenhuma e são encaminhados apenas para o divertimento de quem o fez!
E quando achar que a mensagem pode, de fato, interessar a todos, cheque sua procedência antes de repassar.

7. Não clique em "sair do grupo" só porque ficou com raiva.


Você pode ter-se excluído do grupo sem querer. Nesse caso, você pode solicitar que o administrador o adicione de volta. Mas, e se você intencionalmente deixar o grupo apenas porque você está frustrado ou tem problemas pessoais com alguém? O seu grupo não pode ser responsabilizado. Sim, o administrador pode adicioná-lo de volta com um aviso. Mas, mesmo assim, se você insistir em deixar o grupo, você será eventualmente deixado de fora!


8. Evite  publicar coisas desnecessárias se o grupo pretende ser específico


O grupo é destinado a fortalecer uma comunidade, compartilhar experiências de viagens ou atualizações de emprego? Se você continuar compartilhando piadas ou memes vai soar estranho. Você estará fazendo um papel de tolo e, provavelmente, vai parecer ser um idiota na frente de outras pessoas, que podem pensar que você tem um parafuso a menos. Então, é melhor postar coisas específicas ou manter-se quieto.

Outro regra de ouro: imagine que o foco do grupo é "atualizações de emprego". Então, você posta uma mensagem falando sobre a beleza da cor vermelha. Mesmo que a maioria goste do vermelho, você estará levantando um tema que pode se desdobrar em dezenas de outras postagens fora do foco. Isso sobrecarrega as páginas do grupo, dilui a pauta e dificulta a filtragem de assuntos para quem busca apenas "atualizações de emprego".
Mais uma dica: lembre-se que, por mais simpático que seja, um simples "Bom Dia" ou "Boa Noite" que cada um queira postar em um grupo com muitos participantes vai gerar páginas e páginas de textos, que irão ocultar os assuntos principais (a menos que o assunto principal seja "laços de amizade" ou algo do gênero).
Última dica: pode acontecer de você postar um assunto por engano ou postar no grupo errado. Isso acontece com muita gente. Como não existe opção de excluir a postagem (ao menos até esta data, não existe), nesse caso o melhor a fazer é explicar ao grupo que houve um engano e pedir desculpas.

9. Não se comporte de modo rude ou mal educado

Ser rude em um grupo expõe completamente sua verdadeira face aos seus amigos que estavam confiando em você até então. Se algo irrita você, educadamente afastar-se do bate-papo ou silencie o grupo no seu celular. Não discuta com a pessoa que você irritou com seu post ou opinião. Lembre-se de que todo mundo tem o direito de partilhar os seus pensamentos sobre qualquer assunto no grupo, a menos que seja religião, política ou celebridade, como mencionado anteriormente.


10. Participe ativamente


Finalmente, a sua participação no grupo determina a sua atitude. Não ignore completamente e não fale demais. Fale o suficiente. Se você tem estado ocupado, visite o seu grupo uma ou duas vezes por semana. Mantenha um controle sobre as conversas para que você não perca algo importante. Se alguém teve uma conquista, felicite-o, embora atrasado. Participe ativamente e mantenha o grupo vivo!

05 fevereiro 2016

FOTOS AÉREAS E PLANAS NA MESMA IMAGEM


Fusão de fotos aéreas e planas e perspectivas distorcidas. 
É a experiência multidimensional do fotógrafo turco Aydin Büyüktas 
(para saber mais: http://designconceitual.com.br/2016/02/02/fotografo-turco-junta-drone-com-imagens-planas-e-inova-na-fotografia/ ).

aydin-buyuktas-flatland-warped-cityscapes-designboom-09

aydin-buyuktas-flatland-warped-cityscapes-designboom-02

aydin-buyuktas-flatland-warped-cityscapes-designboom-07


aydin-buyuktas-flatland-warped-cityscapes-designboom-010




27 outubro 2015

SENTIDOS


Há poesia numa folha seca,
Há música no zumbir da abelha,
No bater de asas de um pássaro.
Há poesia no fogão de lenha
Que aquece lembranças tão antigas...
Há música na brisa da tardinha,
E no rolar das pedras no riacho,
Como nas teclas altas do piano.
A natureza toda é sinfonia
Entre ventos, árvores, trinados,
Arrulhos de pombos,
Revoada de andorinhas
Nas manhãs de abril, tão cálidas.
Há calor na mãos que acariciam
O rosto dos amantes, como seda.
Há poesia em seus olhos quando vêem
Belezas que só a eles se revelam.
E nesta sinfonia de sentidos,
Sabores, devaneios e emoção
Está toda a beleza pra quem sabe
Que tudo ao redor tem nova cor
Quando o amor nos chega ao coração.

(escrito por Rosângela Maria Halfeld Bonicontro)